Category: Uncategorized

25 de abril

[gv data=”PBK7bd3UYow” width=”425″ height=”350″][/gv]

mmmmúsicas!

Pois aquí tedes a minha aportaçom ao tema de mmmmúsicas (músicas para foder/transar/trebelhar/empurrar/fazer o amor, etc) … lembrade que eu tenho bem pouca cultura musical, obrigado a As minhas mulleres .
(A orde nom quer dizer nada, se tenho que ficar com algumha… a quatro)

1. Mind Transplant, Alphonse Mouzon

[gv data=”KRj02qk1K0o” width=”425″ height=”350″][/gv]
2. Don’t believe a word, Gary Moore

[gv data=”YzpMBscDNbM” width”425″ height”350″][/gv]

3. Body Language, Queen

[gv data=”GTU3BLM-LIg” width”425″ height”350″][/gv]

4. Tired of being alone, Al Green (O do video em youtube nom quere embed

[gv data=”h-Jcq8HOrU8″ width”425″ height”350″][/gv]

5. I was made for loving you baby, Kiss (No sexo também há humor, nom?)

[gv data=”1lcwROZBI9Q” width”425″ height”350″][/gv]

A todo isto, todo este meme (palavra horrível) nom terá nada que ver com isto?

E passo a bola a…

Ruido, ruido

Levo mais de dous meses sem escrever nada sobre Ciência… bom levo dous meses sem rematar um post de divulgaçom, na pasta de “Os Seus rascunhos” tenho 12 ou 13 sem rematar…

Vai cousa dum mês publicarom umha nova em La Voz cujo título indicava umha pobre formaçom científica dos redactores.

As cidades galegas exceden nun 15% o tope de ruído recomendado

O corpo da nova indica que o límite fixado pola OMS é duns 65 decibeis e que nalgumhas zonas chegam 75 decibeis. É verdade que 75 é um 15% mais que 65… pero 75db nom som um 15% mais de ruido que 65%… som um 1000%.

O deciBel é umha unidade de medida da sonoridade, isto é: a relaçom entre as intensidades de dous sons. Para isso emprega-se umha escala logaritmica que relaciona as potências de dous sons medidas em unidades de pressom. Assím a relaçom entre os dous será:

Lw=10 log (p1/p0).

Assim cada bel entre duas medidas de sonoridade significa um aumento em potência de 10. Assim dous beis representam um som 10 veces mais potente que um belio, três beis som 100 veces um, e quatro 1000… Por isso empregamos a unidade de decibel (1/10 beis), que é muito mais pequena e útil.

Como em todas as escalas empíricas temos que fixar um zero, que neste caso som so 20 micropascais (o som de menor potência que podemos ouvir). Assim um som de 10 decibelios é 10 veces mais potente que esse som básico. Assim se o umbrlal pola lei som 55 decibeis e midem-se 65 é um som 10 veces mais forte.. isto é supera num 1000% -que para as intençons de La Voz queda melhor.

Nom temos nada que fazer lá

Acredito na democracia e no dialogo, pero logo de ver este video só podo dizer umha cousa: Nom temos nada que fazer alí.

[gv data=”-5339441096272983547″width=”425″ height=”350″][/gv]

A cara de dor de Francisco Rodríguez contra o minuto dous é o que todos os galegos teriamos que sentir vendo estas imagens: Os deputados marcham da câmara mostrando um despreço total por um representante elegido democráticamente. E entre eles os deputados “galegos” do PSdG e o PPdG que estam nas cortes:

Francisco Xabier Carro, Alberto Fidalgo, Mª Esther Couto, Mª Isabel Salazar, José Blanco, Mª Jose Porteiro, Domingo M. Tabuyo, Antonio Louro, Carmén Marón, Ceferino Diaz, Antonio Erias, Mª. Jesús Amparo Sainz, Arsenio Fernández de Mesa, José Domingo Cipriano Oreiro, Jose Luis Delgado, Ana Belén Vázquez, Armando González, Ana Mª Pastor, Carlos Mantilla, Mº Dolores Pan, Julio Padilla, Joaquin Mª Garcia…

Som os diputados por Galiza do PSOE e do PP que prefirem ir tomar algo ao bar antes de escuitar o diputado do BNG na sua defensa dum plam para Navantina. Concordem ou nom coas ideias de Francisco Rodríguez tenhem a obriga como representantes dos galegos em Madrid de escuitar e estar presentes para defender os intereses de Galiza. Com este actuaçom, que nom é a primeira, demostram que NOM representam a Galiza e só siguem os ditados dos seus partidos desde Genova e Ferraz. Muitos deles som galegos de nome só os três meses antes de cada eleiçom e som “deputados por A Corunha/Lugo/Ourense/Pontevedra” só por razons administrativos, porque algo tenhem que ponher nas cartas de deputados.

A qualidade do vídeo nom permite comprovar se todos eles escapulem das suas obligaçons (Erias, Louro, Blanco e Pastor seguro, que saem em primeiro plano), mais tanto tem: Se tiveram um pouco de decência renegariam dos seus companheiros de partido e denunciariam esta situaçom. Sem concordar ao cento per cento coas ideias de Francisco Rodriguez e do BNG tenho que dizer que para mim ele é o único deputado galego e de Galiza no Congresso dos deputados espanhol.

Embora isso importa pouco pois este video demostra que aguardar que nessa câmara estea o futuro do nosso pais é umha parvada. Os deputados espanhois nom tenhem interese na Galiza, nas suas gentes, no seu trabalho, na sua cultura, na sua lingua, na sua vida, no seu futuro… nom temos nada que fazer alí (no Congresso e em Espanha) e pouco podem fazer para que mude de ideia.

Se tedes algum interese em enviar um protesto por este comportamento nojento tedes aquí os correios dos grupos que fugirom da câmara:

Grupo popular: grupo.popularcongreso@gpp.congreso.es

Grupo socialista: ofiprensa@gps.congreso.es

Os deputados “galegos” dos partidos “grandes”:

xavier.carro@diputado.congreso.es,
manuel.diaz@diputado.congreso.es,
antonio.erias@diputado.congreso.es,
erias@udc.es,
carmen.maron@diputada.congreso.es,
oreiro@diputado.congreso.es,
padilla@diputado.congreso.es,
mxporteiro@diputada.congreso.es,
maria.sainz@diputada.congreso.es,
jblanco@diputado.congreso.es,
domingotabuyo@diputado.congreso.es,
antonio.louro@diputado.congreso.es,
mi.salazar@diputada.congreso.es,
celso.delgado@diputado.congreso.es,
armando.gonzalez@diputado.congreso.es,
ana.vazquez@diputada.congreso.es,
carlos.mantilla@diputado.congreso.es,
carlosmantilla@economistas.org,
dolores.pan@diputada.congreso.es,
a.pastor@diputada.congreso.es

Maldigo o teu nome Pinochet.

Desconexom informativa por ponte e no bus chega a nova de que outro assassino morre na cama loubado por os seus adoradores e sem condenaçom dos tribunais.

Ultimamente os ditadores e os colaboradores das ditadures estam colhendo o vicio de morrer como as pessoas de bem, quando tinham que apodrecer no cárcere. E os que nom morrem desfrutam dumha velhe douro (ou de senador). Alomenos queda umha ferramenta, e que a história conserve a memória dos seus crimes, e que para os séculos futuros as gentes maldigam o seu nome.

I love Andrea!

way_to_moon.jpg

Para alguns pode ser umha parvada, pero para mim isto é a cousa mais bonita do mundo.

(sim, ultimamente nom crio muito conteudo…  )

Umha mensagem que ninguem quereria escrever

Odio estes sitios, e tento visitalos pouco. Mais quando morre alguem que conheces de sempre, ainda que nom tiveras umha relaçom mais que superficial, e obrigado os ritae sociais pertienentes. A ela pouco lhe vai importar, mais aos outros, as nais, as avoas, aos amigos fai-lhes bem ter por uns momentos alguem que lhes dea umha aperta e lhes diga umhas verbas de ânimo. E sobre todo saber que estarás ali ao dia seguinte, quando precisem de ajuda.

A morte dalguem conhecido, perto ou nom, é dura. Mais se esse alguem tem a tua idade, creciches com ela, via-la de cotio num ambiente que nom adoitas relacionar coa morte o desacougo é maior. Nestas ocasioes gostaria de me deixar levar polo auto-engano e crer na perpetuaçom da existência mais aló do mundo material. Seica aos crentes faise-lhes mais doado este tipo de situaçoes. Por outra banda eu salvo de desacougo e do sentimento de “roubo” que tanto se escuita: “Quitarom-no-la”, ou de injustiça: “Com vinte-e-um anos, Nom há piores e mais velhos que levar?”.

Nom há razoes em todo isto, nom há causas nem plaos dum deus sádico que complace com apagar a vida ao chou. Nom há um fim, nem um destinho. Tampouco haverá compensaçoes ao final do caminho, nem um mundo futuro que de senso a isto. E duro admiti-lo, mais quando aceptas que isto é o que há, que esta vida e esta existência efimera e fragil é o único, e que nada do que acontence tem mais objetivo que o devenir dos feitos, em certo modo acadas um repouso e umha tranquilidade, diferente ao complacência dos crentes, que permite viver dum jeito digno.

Ogalha ela vivira, e disfrutara dumha vida longa, e figer realidade os seus sonhos, e cuidara da su nai. Ogalha hoje puidera escrever umha mensagem, como tinha pensado, falando do aniversario da II Republica, como muitos na Blogaliza figerom. Mais as cousas forom assim, e assim hai que aceptalas.

Camacho, Camacho…

Amplificando…
(Via Arredemo)

Especial Semana Santa (I)

“Ninguna confesión tendrá caracter estatal. Los poderes públicos tendrán en cuenta las creencias religiosas de la sociedad española y mantendrán las consiguientes relaciones de cooperación con la Iglesia Católica y las demás confesiones.”
-Artigo 16.3. da Constituiçom do Imperio Pequeno

Destos quatro datos eu tiro varios escenarios possíveis:

Primeiro: O crucificado nom e Jesus de Nazaret alias “Cristo”. Simbolo escolhido pola Igreja Católica Apostólica e mui Romana. Sera Pepe Bojno? Numha alegoria jocosa da sua cruzada e do seu sacrifício por Ejpaña? Juram (Prometem) os novos ministros diante da efigie do seu malogrado (e incomprendido) precursor, para lembrares sempre o seu dever de salvaguardar España e a Constituiçom (Constitución-que-nos-hemos-dado-entre-todos, PP-PSOE dixit)?

Se cres que esta é a escolha ajeitada envia Ministro Bojno ao 555-Somosparvos-5

Segundo: Rubalcaba, Alonso e Cabrera Calvo-Sotelo (Notem que em todas partes dim só o primeiro apelido dos dous primeiros, mais os três da nova ministra de educaçom vam em pacote e cum sotaque “especial”… sera por algumha “razom histórica“?) Nom estam a jurar como ministros de “El Reino de España” (Aconfesional) se nom do novo e refundando ” Noble Reyno de Madrid” (Catolico), novo estado refundado pola mui católica presidenta da antiga Comunidade de Madrid, Esperanza Aguirre.

Se esta é a tua escolha preferida envia Ministro Espe ao 555-osdesempre-5

Terceiro: As imagenes som umha montage. Notade que El-Rei presenta a mesma postura nas duas primeiras fotografias, o mesmo rictus, a mesma possiçom de maos, olhos, beiços, pernas. Na terceira move um pouco as maos… mais… A cara é a mesma! Copy-paste! Copy-paste! Isto é photoshop!

E se esta é a que ti queres votar envia Ministro El-Rei ao 555-tomandodeconha-5

Cepticismo e turismo

Venho de passar a minha tarde “ceptica” de todas as semanas. Adoito te-la os Sábados, pero por razoes varias nom topei tempo. Depois de ler o artigo de Randi do sete de Abril (Bom! De David Federlein e Hal Bidlack, que ele segue enferminho), fedelhar um pouquinho nas actualizaçoes do “Arquivo Iker” do “Circulo Escéptico” para rir um pouco coas últimas parvadas do nosso mercachifle de feira favorito e consultar os blogs e foros cepticos da internete… Recaim num artigo do Professor Aguilera Mochón da Universidade de Granada que resulta escepcional. Completo, claro e conciso, muito recomendavel.

Depois de ler isto reflexiono e ideias peregrinas xordem da minha cabeça: mala tempada para os cepticos, ateus e demais seres racionais, quando a tele, a radio os jornais e as ruas das cidades emchem de fanáticos sinistros a autoflagelarse e idolatrar figuras terrorificas com abundancia de casqueria… Dentro de pouco é o aniversario da II Republica Espanhola (Um lugar mais agradavel para viver, ou para deixar polas boas que o actual “Reino de España”), e digo eu… Quando algum governante tera o senso de recolher a feliz ideia dessa época de levar essos actos religiosos ao ambito que lhes corresponde, é dizer, a mais recolhida e discreta intimidade? Quer os integristas varios, quer nom, as ruas de todos nom som sitio para os ritos escuros e sanguentos duns fanaticos (tristemente mui numerosos e espalhados)… Pero pouco tardo em lembrar-me que pouco tenhem de religioso ou de culturar estas manifestaçoes necrofílicas dos cristians e que só a sua aportaçom económica em forma de enfermizo turismo impulsa ano tras ano aos concelhos a permitir essos costumes extremistas nas ruas e praças. Pouco importa que os cidadans que nom compartem a fe nesses deuses, virgens, resucitados e demais parafernalia mitológica vejam as suas cidades colapsas e as suas noites profanadas polo gentio e o ruido. Pouco importa que quando os practicantes doutras formas de irracionalidade (chama-lhe religiom, chama-lhe seta…) pidem permiso para celebrar os seus ritos (Muitos menos sinistros nalguns casos) monta-se um balbordo e lhe é denegada o seu “direito” num caso de agravio comparativo (no que as duas partes som-me igual de estranhas…)…

Nadal, Semana Santa, Peregrinaçoes varias, Santos milagreiros e Virgens choromiqueiras… dinheiro, dinheiro, dinheiro… e pouca cabeça…

P.E.: Onde meteria eu ao senhor Harris?
P.P.E.: Nom, nom falo hoje do Bono. Comparte cos irracionais dos que falo mais do evidente (ser um deles): Ele mesmo desacredita-se com cada palavra que cuspe…
P.P.P.E.: E nom, tampouco falo das últimas barbaridades dictadas dende a Conferência Episcopal. Aplicar identico tratamento que ao ponto anterior… Ainda havera alguem que os escuite?
Post(at infinitum) Escritum: Resposto eu mesmo… Sim, há. E muitos…

P.E.Final: E se tenho tempo falarei da sonda em Venus…