Correio de protesto: Homofobia na Sala Capitol (Compostela)

Eis o correio que enviei ao contacto na Sala Capitol de Compostela por mor da actuaçom do homófobo Sizzla agendada para esta sexta-feira:

Escrevo para exprimir a minha preocupaçom pola programaçom do concerto do músico jamaicano Sizzla nas suas instalaçons.
Esse artista é mundialmente conhecido polas suas posturas radicais e proseletistas do ódio contra gays, lésbicas, transexuais… assim como a sua defesa dum rol asobalhado da mulher. Durante os últimos anos muitos colectivos europeus protestaram pola publicidade e tribuna pública que distribuidoras, organizadores e salas de concertos oferecem como altifalante para as ideias homófobas e medievais desse indivíduo. Sem importar se de facto canta as suas letras mais explícitas nos seus concertos agendados estes servem para afirmar a sua posiçom no star-system musical e permitir  que siga esparegindo a sua mensagem noutros lugares com colectivos menos organizados.

A música é umha ferramenta de transmissom de emoçons e de ideias, um campo para a liberdade criativa que pode estabelecer umha conexom com o ouvinte. Mas empregar esse fenómeno para instigar o assassinato de pessoas pola sua raça, orientaçom sexual, religiom, etc… é perverso, e para nada entra dentro da definiçom de liberdade de expresom. Entendo que a sua sala nom é mais que um negócio privado ligado por contrato com mayors, representantes e diversos circuitos musicais, mas sempre existe um ponto onde a gestiom empresarial topa com os mínimos comuns dumha ética de respeito para com as pessoas. Escudar-se no seu carácter mercantil nom serve neste caso, e de o fazer é seguro que muitas pessoas individuais e colectivos ligaram o seu comportamento  com um aceitamento indirecto das imposturas defendidas por Sizzla.

Prego-lhes que recapacitem e suspendam o concerto agendado para esta sexta-feira. Os benefícios económicos a curto praço que podem obter nom se compensam com o dano para a sua reputaçom e imagem.
.
Despede-se
Fernando Trigo Chouzinho

Podedes enviar os vossos protestos a salacapitol@salacapitol.com. Ou bem seguir a campanha de boicote neste blogue.