Galego de Valladolid para o último anúncio do Ministério de Sanidade

Eu como neofalante tive que aprender boa parte da ortofonia  da nossa língua. Muitos som os vícios que o espanhol fixa na nossa fala e que temos que eliminar com esforço: uso de cinco vogais em troques das sete da variante galega da nossa língua, problemas com o fonema nasal-velar em “unha” e no final das palavras, acentuaçm diferente em sílabas diferentes em palavras homógrafas com o espanhol, etc. Alguns desses castelhanismos incluso estám fixados no padrom galego-espanhol oficialista que nos isola das variedades internacionais da língua. Porém há muitos traços desse “galego falado à maneira do espanhol” que todos podemos reconhecer sem importar a nossa escolha ortográfica e de paradigma: “míssil/misil” leva a força no primeiro i. Assim resulta engraçado escutar um espanho-falante ler um texto galego, em quaquer normativa. E o risível aumenta quando eles pronunciam “Coelo/Coel’o” por “Coelho”.

Por todo o anterior, qualquer pessoa fluente em galego que escute este anúncio do Ministério de Sanidade espanhol só pode rir, e depois perguntar quanto deve ser o respeito do Governo de Espanha cara a nossa língua (Que segundo a sua Constituiçom também devem eles defender) quando deixam que algo assim suceda:

Topou o anúncio o senhor Modesto.

Coda: Pergunto-me se as versons em catalam ou euscara teram fonética incorrecta. Ou como reagiria a populaçom ante umha impossível locutagem do texto em espanhol como se o lesse um falante de francês.

  • By galego, Novembro 17, 2011 @ 11:56 a.m.

    ¿como podes queixarte de que non defenden a nosa lingua cando nin a coñeces? Ou polo menos tes moitas faltas de ortografia, xa me entendes

  • By odemo, Novembro 17, 2011 @ 12:09 p.m.

    galego Convido-o para que assinale qualquer gralha ortográfica que poda topar no meu texto, ninguém está livre de culpa. Mas lembre que a minha escolha é, se nom reparou, a normativa reingracionista da nossa língua. Se por desgraça nom conhece convido-o igualmente a que se forme e expanda a sua visom nas seguintes ligaçons:
    http://www.pglingua.org/ Portal Galego da Língua
    http://issuu.com/gentalha/docs/faq FAQ reintegracionismo

  • By Cacheleiro, Novembro 17, 2011 @ 6:43 p.m.

    Escuitei dúas veces o anuncio e aínda penso que está en castellano.

    Falando do de “coelho”… Tampouco é tan risible o dos falantes de español, porque se nos pomos finos tamén é certo que máis dun 90% dos gallegos o fan “mal” (espero que se entenda o que quero expresar, eu opino que non hai maneiras de falar mal), e non o digo polo “lh”, senón porque a maioría (por non decer todos) len “coeyo” (cuando non din, como na maioría das ocasiois, “conexo”). Xa pouca xente hai que pronuncie o “ll” “como é debido”, e xa non sei se haberá algún entre a xente nova…

  • By Cacheleiro, Novembro 17, 2011 @ 7:01 p.m.

    Tamén é verdai que a min estas cousas tanto me teñen, ora que non se estrañen de que as cousas saen mal se os “modelos” impostos nos medios de comunicación son o que son (estou falando dos modelos ortofónicos e esas trapalladas). Porque saber pronunciar cousas como “unha”, dominar un sistema de sete vogais e todas esas cousas está mui ben para comezar, pero non se pode ficar aí (se queres falar o gallego un pouco ben, claro). O problema é que isto é visto como un esforzo inútil (e non vou negar que se teña algo de razón aí).

  • By odemo, Novembro 17, 2011 @ 7:02 p.m.

    Cacheleiro A perda da lateral ll/lh em galego da Galiza é outro desses dramas da nossa fala que muidos já dam por perdido. A falta de referentes fonológicos nesse caso já atinge a várias geraçons (menos de 40-50 para abaixo, mas nom som filólogo) e nom parece existir mais soluçom que a da concienciaçom. Mas o problema segue a ser esse: os modelos lingḯsticos, fonéticos e de prosódia existentes som, ou bem castelhanizados até o absurdo (TVG) ou inexistentes.

  • By Gurtzetakoa, Novembro 17, 2011 @ 9:29 p.m.

    Desde o Pais vasco: O respeito do Governo de Espanha cara a nossas línguas é nulo. Eu non sei se hai verson en euskara, pero non só a fonética, tamén destrúen a sentase do nossa lingua. De todos os xeitos, os propios do lugar axudan moito a que sucedan estas cousas. Polo menos aquí no Euskadi.

Other Links to this Post

  1. Galego de Valladolid para o último anúncio do Ministério de Sanidade — Novembro 17, 2011 @ 10:58 a.m.

  2. La versión en gallego del último anuncio del Ministerio de Sanidad está ridiculamente mal traducida [gl] — Novembro 17, 2011 @ 11:42 a.m.