Santiago(é)Tapas VI (O retorno)

Seguimos!

Gran Hotel Santiago (Avenida do Mestre Mateo, 27)

Temos que indicar que esta foi a (é)tapa mais difícil de completar. Nom só está bastante afastada do resto de estabelecemos da rota, também tem um horário um pouco marciano e mui comprido. Só servem das tapas 45 minutos cada dia, depois das duas! É bastante difícil ir de tapas a essa hora, e impossível inclui-lo num roteiro com outros locais: Tés que ir ad hoc, e por desgraça Xorna nom tem um horário compatível, assim que tivem que conjar coa ajuda dum amigo meu, Carlos. Obrigado pola colaboraçom, of course! Também está o problema de que nom e um bar ou umha cafetería, se nom o restaurante dum hotel de quatro estelas, no décimo andar. E eu nestas circunstáncias estou um pouco incómodo, fora de lugar. Porém o serviço excelente, em galego desde o bemvida e informaçom sobre os platos.

Canelons de pera com salom marinhado e creme de queijo

Com um ambiente como o referido a presentaçom já se supom exclente. O tamanho da tapa era mais que aceptável, boa combinaçom dos três ingredientes em sabor e textura e agradável de comer. O doce da pera co sabor salgadinho do salmom e o mais neutro do queijo (mui suavinho) foi umha boa ideia. Como noutras tapas anteriores, tés que empregar o talher, e eu sigo afirmando que umha tapa “cómoda” tem que ser ou bem manual ou de culher, que o coitelo e o garfo som mais para raçons. Levou um 4! Pola originalidade do salmom e a pera, mas sem entrar em experimentos que podem ser demasiado inovadores para um concurso popular.

Preço: 2,30 €

Raxo de polvo com cortiça de porco crocante

O prato é um bom troço de pólvo cuberto dumhas farangulhas de cortiça crocante de porco. Visualmente é bem curioso, polo corte do polvo e a cor do crocante, mas a cuncha de vieira é um pouco too much galician! A convinaçom anterior pode parecer rara, mas os sabores calham mui bem. Por desgraça o polvo estava mui duro (pecado!!) e isso amola-me, embora as faranglhas de porco eram mui saborosas, nom aguardas que marquem tanto o sabor do plato e essa surpreesa é mui agradável. E outra vez coa minha teima: Precisades coitelo e garfo para comerdes esta tapa. Levou um 3! Seguro que com um polvo melhor preparado levaria mais.

Preço: 2,30€

Rabo de tenreira galega sobre compota de tomate

Albíssaras! Pam! A verdade é que este prato é bem curioso. É o menos espectacular visualmente dos três, mas tem pintas de rico. Leva um sonho queeu pensava recheio dessa saborosa preve marrom que solta a gordura da carne de rabo, mas segundo a página do concurso é umha cousa muito mais complexa, e baixo dele umha compotinha de tomáte um pouco áceda que calha mui bem, A quantidade é aceptável para umha pessoa, come-lo em dous bocadinhos. Mui, mui recomendável! Levou um 5! E pode ser umha das minhas tapas preferidas do concurso.

Preço: 2,30€