Posts tagged: Garzon

Garzón podia estar tranquilo

Mentres era julgado polas escutas ilegais na trama Gurtell Baltasar Garzón Real podia estar tranquilo, sabia que ninguém se atreveria a espiar sem umha justificaçom prévia as conversas que mantivesse com a equipa da sua defesa. As pessoas incausadas na própria Gurtell -por mui más e corruptas que fossem- nom tiveram esse luxo.

Baltasar Garzón Real podia estar tranquilo quando preparava a sua defesa, pois sabia com claridade quais eram os cargos polos que estava acusado. As pessoas detidas de maneira “preventiva” por ordem do juiz durante as olimpíadas de Barcelona 92 nom tiverom essa sorte.

Garzón podia estar tranquilo quando começaram a falar dos seus futuros juízos, sabia que ninguém entraria na sua casa com violência e carapucha ocultando a face para aterrar para o prender. As dúzias e dúzias de pessoas bascas, galegas e catalãs perseguidas polo juiz às ordens dos poderes políticos espanhóis nom tiveram essa licença.

Garzón podia estar tranquilo pois sabia que os seus companheiros juízes encarregados de levar adiante o seu juízo trabalhariam com cuidado para construir um caso real, defendível e com provas e acussaçons claras que ele tivesse oportunidade de rebatir. As famílias das vítimas das drogas ilegalmente traficadas polos capos da Operaçom Nécora e outras nom estavam na mesma situaçom, viram como os envenenadores da sociedade marchavam incólumes por erros de manual.

Garzón podia estar tranquilo pola sua família, eles nom sofreriam de maneira desnecessária o processo judicial e penal, fora da dor emocional de ter um familiar acusado. Os milheiros de familiares de pressos políticos bascos e de tantos outros “dispersados” por ordem do juiz tiveram que peregrinar por todo o estado espanhol por estar uns momentos do lado das suas pessoas queridas.

Garzón podia estar tranquilo de facto porque sabia que os seus pés nom tocariam o chão do cárcere, nom sofreria abusos nem privaçom de liberdade durante a duraçom do processo por mui graves que fossem os cargos. Centos de pessoas presas à espera de ser julgados por ele, tam atarefado sempre com tantos casos importantes, apodreceram ser essa oportunidade.

Garzón podia estar tranquilo se por mor dalgumha terrível combinaçom de feitos inimagináveis remata por sofrer violência da policia ou das pessoas encarregadas de o custodiar podia estar seguro de que tanto os seus julgadores como todos os medias espanhóis denunciariam o seu caso. Os centos e centos de pessoas torturadas e maltratadas durante os processo desse mesmo juiz que denunciaram os feitos ante ele forom ignoradas e voltaram às mãos dos sádicos.

Garzón podia estar tranquilo pois os médios de comunicaçom que lhe eram favoráveis, que defendiam a sua inocência e a sua ideologia ante a sociedade. poderiam realizar a sua labor de defesa sem medo a ser fechados sem mais delito que pensar o que pensavam. As redaçons dos jornais bascos fechados sem provas e sem caso polo juiz nom desfrutaram da liberdade de palavra.

Garzón podia estar tranquilo pois as pessoas públicas que confiavam e o apreçavam poderiam exprimir em total liberdade as suas posturas e argumentos, organizar campanhas e mesas de suporte, criar organizaçons a prol da sua liberdade. Um número incontável de grupos, entre eles Gestoras Pro-Amnistia por exemplo, tiveram que calar a boca e desistir dos seus atos.

Garzón hoje já nom está tranquilo, foi condenado a 11 anos de inabilitaçom por só umha pequena parte do mal que fixo.

Hoje nós podemos estar mais tranquilos.