Posts tagged: isolacionismo

Galicismos recentes…

Jogemos à RAG todos juntos!

Chimpo, pinchacarneiro, reviravolta e foge-foge!

Se miras para trás és um aportuguesado!

O único que importa é termos mais xalexo!

Nom atendas a critérios, nom sejas revirado!

Chimpo,pinchacarneiro, reviravolta e foge-foge!

Que importa o tempo que leva galicismo?

Nos dicemos “o bricolaxe” e ficamos tam contentes

E seguir o senso comum é agora um! lusismo!

Chimpo, pinchacarneiro, reviravolta e foge-foge!

Joguemos à RAG todos juntos, até podes levar quartos!

“Chantaxe”, “potaxe”, “sabotaxe”, “trucaxe”, “colaxe”

Nom! “Bricolaxe”!

Chimpo, pinchacarneiro, reviravolta e foge-foge!

Argumentos isolacionistas

Raivam e botam escuma

Raivam agora e mais que raivarám. Estam nervosos, individual e colectivamente. As sambessugas institucionais-oficiais calam e fugem, com o medo de quem sabe que as prebendas polas que falseou o património da língua do seu povo perigam, os opinadores profissionais escrevem -na língua de verdad ou na sua versom disfarçada de dialecto indígena-  carregados de odio, insultos e preconceitos; agasalhados com a bandeira do reino nas tribunas dos jornais. Até os que nom som nem institucionais-oficias nem opinadores-profissionais, mas querem fazer méritos para essas vagas, cuspem a sua raiva -disfarçada e justificada cada duas frases como verdadeiro amor pola língua galega e a portuguesa, bem separadinhas isso sim- em forma de sofismas e parvadas com triple pátina de populismo, argumentos ad hominem e ad hoc. E todos estám na mesma banda do caminho, alguns coas orelheiras bem colocadas, para nom repararem nos seus companheiros de viagem.

O melhor é que todo isso é velho, mas agora só é em parte ódio contra Galiza, só é em parte lusofobia, agora há medo. Assim que um dez para a Academia Galega da Língua Portuguesa, embora eles som só um passo mais no esforço de muitas pessoas que querem que a língua galega saia ao campo livre, sem complexos. Mentras os outros tenhem que fazer mais e mais esforços estéticos para manterem a farsa, e a estrutura que tam bem funcionou estes anos: Os asnos coas orelheiras minimistas auto-impostas a caminhar polo rego marcado polas binças do arado espanhol, mas cada  o sulto tem que ser mais profundo e os asnos mais asnos…