Lua – O demo me leve http://odemo.blogaliza.org "Si eu fixen tal mundo, que o demo me leve" Mon, 16 Apr 2012 18:11:04 +0000 gl-ES hourly 1 https://wordpress.org/?v=4.7.1 Saturno cheio de surpresas http://odemo.blogaliza.org/2009/08/10/saturno-cheio-de-surpresas/ Mon, 10 Aug 2009 07:50:03 +0000 http://odemo.blogaliza.org/?p=1519 Um dos nossos vizinhos gigantes do Sistema Solar nom deixa de surpreender-nos. Aproximadamente cada 15 anos os aneis de Saturno entram em Equinócio respeito o Sol e fam-se literalmente invisíveis desde a Terra. Isto entende-se bem se sabemos que os aneis som estruturas mui fininhas, de só uns 10 metros de espessura! Podedes imagina-los como umha folha de papel: Quando está colocada fronte umha fonte de luz (que reflexa) é facilmente visível, mas quando o que mostramos é o seu canto desaparece.

Essa possiçom dos aneis respeito o Sol permite que a sonda Cassino, os nossos olhos em Saturno, capte pequenas irregularidades e corpos com muito detalhe e mui boa iluminaçom. Assim há uns dias tinhamos a notícia dum impacto desconhecido contra o anel F, o mais exterior:
cassini_fring_punch

A imagem é impressionante. O corpo que impactou no anel levou consigo parte do material deixando essa esteira que vemos graças a que se eleva sobre o plano do anel.

Mas a última imagem da Cassini é também um descobrimento fascinante:
cassini-20090807-640

Esse pequeno ponto branco sobre o anel central é umha lua, aliás umha luninha. Está elevada sobre o plano do anel uns 200 metros, quase tocando! E sabemos que está lá graças a sobra que projecta sobre a superfície de gelo e pó das estruturas anulares. É umha das muitas luninhas “pastoras” que orbitam junto com os anéis e que os mantenhem estáveis e criam esses desenhos e patrons tam característicos. Ainda que polo visto esta é pequena de mais como para criar umha esteira no denso anel B.

Esta última imagem também é umha boa mostra de como se descobrem muitos corpos em Astronomia: pola projecçom de sombras. Os únicos corpos que emitem luz visível polos nossos telescópios som os sois, as estrelas. O resto de objectos ou bem som opacos ou bem reflexam a luz que lhes chega desde o seu sol (como é o caso dos planetas, a nossa lua ou os anéis de Saturno). Neste último caso somos quem de vê-los só quando estam mui perto de nós e som suficientemente grandes, mas que acontece quando queremos descobrir objectos pequenos ou mui afastados? Pois que aproveitamos fenómenos como o equinócio dos aneis, que iluminem de jeito adequado os corpos para que projectem sombra sobre outros. Com o ángulo ajeitado a sombra e muito mais grande que o corpo original e pode observar-se em contraste com o fondo. Outro método é que o corpo se situe entre nós e a estrela ou foco de luz (coma num eclipse) e assim ver como “tapa” umha parte da radiaçom. Assim é como se descobrem os planetas fora do nossos Sistema Solar.

A mim nom deixa de surpreender-me o nosso universo, e a vós?

]]>
As conspiranoias nunca morrem http://odemo.blogaliza.org/2009/07/19/as-conspiranoias-nunca-morrem/ http://odemo.blogaliza.org/2009/07/19/as-conspiranoias-nunca-morrem/#comments Sun, 19 Jul 2009 15:28:12 +0000 http://odemo.blogaliza.org/?p=1460 Há uns dias na página web da NASA publicavam as primeiras imagens tomadas pola sonda LRO, um projecto preparatório para a volta da agência espacial americana à lua. Estas imagens correspondiam aos lugares de alunagem das missons Apollo.

Como comentam na página da NASA as imagens nom tenhem toda a resoluçom da que som quem os instrumentos da LRO porque a sonda ainda nom está estabilizada na sua órbita de mapeio. Porém amossam o complexas que foram as missons do programa Apollo: O gigantesco vazio no que pousaram os seus pés os cosmonautas, a fragilidade dos módulos, o trabalhoso dos seus passeios:
369228main_ap14labeled_540

Pode que as razons geopolíticas que criarom a carreira espacial nom fossem defendíveis, as os logros que acadarom as agências americanas e soviéticas siguem a ser os primeiros passos cara o nosso infinito. As primeiras pegadas fora do nosso mundo natal, conseguidas com o esforço e o sacrifício de muitas vidas e fruto da genialidade das melhores mentes da geraçom nada da II Guerra Mundial.  Umha vitória da Humanidade toda, mais que dumha naçom ou sistema económico.

Embora a carreira espacial poida inspirar a grandeça dum futuro tecnológico também pode desvelar a tecnofobia, o obscurantismo e a conspiranoia de muitos. Ainda hoje gente de toda classe e educaçom afirma sem sentirem vergonha que nom “acreditam” que o homem chegasse à Lua. Nom importa se centos u milheiros de telecópios seguirom a viagem das naves Apollo, nom importa que nesses projectos trabalhassem tantas pessoas que resultasse imposível ocultar as enormes conspiraçons nescesárias para fingir as alunizagens. Nom se importam das confirmaçons ds agência espacial “inimiga” da URSS. Por isso “a fraude luar”  é umha das teorias de conspiraçom mais prototípicas.

Nom vou adicar tempo a desmontar os mitos desses magufos. Já muitos outros trabalharom durante estes anos para ponher em evidência banalidade dos “argumentos” em prol dumha grande mentira. Com todo quero que reparem em como o crescimento e evoluçom dessas crenças seguiu o patrom mais tópico, cumprindo umha das máximas da conspiranoia: Nenhumha prova pode destruir umha conspiraçom, só faze-la mais e mais grande. Nom importa o número ou natureza das provas achegadas porque simplesmente seram incorporadas e o círculo dos “implicados” será  alargado. Primeiro diram que todo foi gravado num estudo ou no desserto perto de Las Vegas, quando se lhes indica que nos controis da missom Apollo trabalhavam centos de cientistas e engenheiros nom tardarám em afirmar que “eles também estavam na conspiraçom”. Quando alguem lembra que umha cheia de laboratórios e observatórios em distintas partes do planeta ajudarom com a monitorizaçom dos sinais e a observaçom direita engadem esses milheiros de pessoas à conspiraçom. Quando se fai notar que a agência espacial da URSS seguiu o processo e confirmou a chegada, entom a cousa muda em conspiraçom mundial dos dous blocos de poder para “ocultar algo”. E assim até o infinito. Até chegar a demências como que sim chegamos àLua, mas o que toparom os astronautas era “tam terrível” que se emitirom imagens pregravadas para “ocultar a verdade”. A conspiranoia nom te límite lógico para os seus construtos.

Por todo o anterior cuido que a publicaçom destas imagens (e das próximas e maior qualidade) nom convencerá a muitos. Afirmarám sem vergonha que estam manipuladas, que estam criadas nos estudos da NASA para ocultar “a verdade”. E nom o duvidem, quando o homem volte à Lua, ou chegue a Marte, os conspiranoicos seguiram convencidos da sua grande mentira…

]]>
http://odemo.blogaliza.org/2009/07/19/as-conspiranoias-nunca-morrem/feed/ 3